Muito Obrigado pela visita! Aproveite para se cadastrar gratuitamente como seguidor(a).

Todo bom professor ensina, mas também aprende com seus alunos! Conheça aqui mais de 400 artigos relacionados com Educação e a Matemática. Acesse e compartilhe!
Hoje é


Quer aprender Raciocínio Lógico, realizando muitas atividades e estudando sozinho? - Para acessar: →

Translate

segunda-feira, 11 de agosto de 2014

Aprenda a Diferenciar: Ciclones, Furacões, Tufões e Tornados

Será que os Fenomenos Naturais São Todos Iguais?
Sempre vemos imagens e ouvimos falar sobre eles na mídia escrita e falada, porém nunca entendemos muito bem como esses fenômenos naturais se diferenciam. Sabemos que todos provocam grandes estragos e eles normalmente vêm acompanhados de vendavais, chuvas torrenciais e ventos muito fortes, provocando grandes inundações, queda de raios, trovoadas, com ondas gigantes quando se formam em oceanos.   Vamos então, abordar cada um particularmente:
Imag. Wikipédia - Ciclone Catarina -Março/2004
Ciclones Tropicais 
Trata-se de um fenômeno circular atmosférico, quando os ventos giram em sentido circular, e tem no seu centro (olho), uma área de baixa pressão,  com temperaturas mais quentes ao centro do que nas áreas circundantes.  Eles são formados em oceanos quentes, quando as suas temperaturas ultrapassam os 26ºC.  A meteorologia diferencia os ciclones tropicais dos extratropicais. Eles ocorrem entre os Trópicos de Câncer e de Capricórnio, na área conhecida como tropical. Nos grandes ciclones, os  ventos são muito fortes e podem ultrapassar os 300 km/h  sendo que  seu giro característico é no sentido anti-horário no hemisfério norte e sentido horário no hemisfério sul.
Os ciclones tropicais em outras partes do globo podem ser chamados como: bagyo (nas Filipinas) e taino (no Haiti).
No Brasil, segundo a revista Época, o ciclone Catarina atingiu em 2004, o estado de Santa Catarina, e foi um evento considerado muito estranho pelos especialistas em clima, pois nosso país até então não estaria na rota desses fenômenos. Ele teria nascido como um ciclone extratropical forte. Em algum momento, ele  ganhou tanta intensidade que adquiriu características de um ciclone tropical. Segundo estudiosos do clima, ele também teria sido classificado como um furacão.

Ciclones Extratropicais
Já, os ciclones extratropicais ocorrem em latitudes médias e altas e podem se propagar até as latitudes baixas, tropicais,  e estão quase sempre associados a frentes frias.
Quase todos ciclones extratropicais produzem ventos muito fortes e chuvas que vão de moderadas a torrenciais. Tanto ele quanto o ciclone tropical, também são capazes de causar a maré de tempestade, e provocar uma elevação do nível do mar associada ao sistema, trazendo altas ondas nas costas dos continentes. Assim, caso ele tenha uma intensidade muito grande, estes fatores classificados como secundários podem provocar tantos estragos quanto o próprio ciclone.  

Imag. Wikipédia -Furacão Katrina Ago/2005
Furacões
Ciclones são diferentes dos furacões. Os ciclones são classificados como tempestades circulares, enquanto que os furacões são um tipo de ciclones formados em latitudes baixas e com velocidade acima de 100km/h.
Os furacões podem ser classificados como  ciclones tropicais de grande intensidade, como os que ocorrem no sul da Ásia e na parte ocidental do oceano Índico.
Os povos que estão próximos ao mar do Caribe e dos Estados Unidos chamam esse mesmo fenômeno de furacão.
Furacões e também os tornados são fenômenos circulares. Os furacões formam-se nos oceanos e têm  dimensões  de até 900km de diâmetro. 
Citamos o exemplo do Furacão Katrina que causou aproximadamente mil mortes nos EUA, e foi considerado um dos furacões mais destrutivos que atingiu os Estados Unidos. Ele prejudicou muito na extração de petróleo e gás natural dos Estados Unidos porque uma parte do petróleo americano é extraído no Golfo do México.


Tufões
Os tufões quase sempre percorrem uma área maior do oceano quente para  se fortalecer e ganhar o status de tufão. Ele também é considerado um ciclone tropical e os seus ventos são contínuos e chegam até 118 quilômetros por hora, podendo até superar essa marca e são mais comuns no oeste do Oceano Pacífico Norte. Sabemos que mais de 20 tufões podem se formar no oeste do oceano pacífico em um ano comum. A diferença que existe entre um tufão e um furacão está na área de atuação deles. O tufão atinge uma extensão de área maior do que a do furacão, e os ventos normalmente são mais calmos, sendo que não são verificadas nuvens espiraladas e nem a formação do famoso “olho” que é comum nos ciclones tropicais. Na ocorrência de um tufão não teremos necessariamente conjuntamente com uma tempestade, mas é comum nos tufões a formação dele com chuvas muito fortes. Quando ele se forma em águas frias, e longe da linha do Equador,  ele é chamado de ciclone extratropical.

O tufão "Ike" que atingiu as Filipinas em 02/09/1985, atingiu seus ventos de 220Km/h, e matou 1363 pessoas, ferindo cerca de 300 e deixando 1,12 milhões de pessoas desabrigadas.

Imagens Wikipédia
Tornados
Os tornados são formados em terra e possuem um pequeno diâmetro que vão até 3 km, mas todos eles são altamente destrutivos.  Geralmente os tornados têm velocidade entre 60 até 180 km/h, medindo cerca de 75 metros de altura e podem se deslocar por até 1km, antes de desaparecerem.
Classificamos um tornado como um fenômeno meteorológico que se manifesta por uma coluna de ar que gira de forma muito violenta e potencialmente perigosa, podendo estar em contato tanto com a superficie da Terra, como também com uma nuvem em seu entorno. 
Eles podem ocorrem em qualquer lugar do mundo, mas são bastante comuns no vale do Mississippi, Estados Unidos, na Austrália, Argentina e também no Uruguai.  Nos Estados Unidos eles ocorrem quando  se dá o choque entre o ar quente e úmido do México com o ar frio e seco que vem das Montanhas Rochosas.
Conclusão






Não importa qual a denominação dada ao fenômeno, chuva, maremoto, tornado, ciclone, ou qualquer outro fenômeno, todos são fatos que ocorrem sem a ação humana, embora o homem muitas vezes pode estar inconscientemente colaborando para essas ocorrências, uma vez que vêm desmatando desenfreadamente as matas e também lançando muito CO2 (dióxido de carbono) na atmosfera da Terra, proporcionando o desequilibrio na camada de ozônio que nos protege das radiações solares.  Tudo isso faz com que nosso clima possa se desiquilibrar e causar o degelo nos polos de nosso planeta.  O gás CO2 vem causando grandes problemas ao clima, e se origina também por causa da queima de combustíveis fósseis como a gasolina, diesel entre outros, e uma de suas propriedades é reter o calor causando o excesso dele em nossa atmosfera e consequentemente o aquecimento global. 
O que temos a fazer é tentar prever antecipadamente tais fenômenos, através de estudos do clima da Terra e tentar conviver em harmônia com eles, evitando o máximo as tragédias e perdas de vidas e materiais que muitas vezes ocorrem pela força desproporcional que são submetidas áreas habitadas de nosso planeta. 
A Matemática Aqui é Simples e Descomplicada!








2 comentários:

  1. Parabéns, muito elucidativo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro amigo(a), obrigado. Se gostou divulgue o blog aos seus amigos!

      Excluir

Ficou alguma dúvida sobre a postagem acima ou quer deixar uma sugestão?
Escreva seu comentário no espaço apropriado, seja para elogiar, criticar ou expor dúvidas, que publicaremos e responderemos o mais rápido possível.

Atenção: Serão excluídos os comentários contendo propagandas e também aqueles que faltem com o respeito e educação a qualquer usuário do Blog ou, os que venham induzir nosso leitor a acessar conteúdos impróprios e eticamente não recomendados. Desde já, agradecemos sua participação!




Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...