Obrigado pela visita. Cadastre-se gratuitamente como seguidor(a)!

"O céu deve ser esférico, pois a esfera, sendo gerada pela rotação do círculo, é, de todos os corpos, o mais perfeito". (Aristóteles)
Hoje é


Faça Nosso Teste de Inteligência Grátis em Poucos Minutos e Conheça na Hora o seu Perfil! - Para acessar: →

Translate

quinta-feira, 2 de março de 2017

Matemática: A Linguagem do Universo!

Por que a Matemática é considerada a linguagem que Deus escreveu o Universo? 
Para o grande filósofo e matemático Galileu Galilei "A matemática foi a linguagem com que Deus escreveu o universo". Disse ele ainda em outro pensamento que: "A ciência humana de maneira alguma nega a existência de Deus. Quando considero quantas e quão maravilhosas coisas o homem compreende, pesquisa e consegue realizar, então reconheço claramente que o espirito humano é obra de Deu, e a mais notável". Refletindo e pensando nessas afirmações, podemos aceitá-las ou não. E, em caso positivo, deduzir que se a Matemática foi realmente criada pelo homem e este seria obra divina, então necessariamente ela também seria uma obra perfeita de Deus. Claro que esta conclusão é polêmica e que muitos discordam veementemente, pois para esses, esse ramo da ciência é simplesmente uma obra da inteligência do homem e até é considerada apenas como uma constante no universo. Os matemáticos estão constantemente procurando padrões que possam explicar tudo que nos rodeia, assim como conhecer as leis da física e por uma busca e uma explicação lógica para a origem do universo.
A matemática se iniciou com a observação e catalogação dos padrões, ciclos e sequências encontrados na própria natureza, realizadas por estudiosos de todos os tempos que contribuíram para formar a matemática que hoje conhecemos. Mas, será que algum dia vamos encontrar todas as respostas, e quem sabe provar a existência e a linguagem com que essa grande força criadora que muitos chamam Deus utilizou em sua perfeita criação?





  

Quando discutimos e falamos da relação entre ciência e fé ou das convicções religiosas dos grandes cientistas do passado, não podemos de forma alguma deixar de citar os grandes nomes da ciência que nos deixaram suas impressões sobre esse fato. Assim, por exemplo poderíamos citar Isaac Newton, que era crente convicto da existência de Deus e outro grande nome da física e matemática, Albert Einstein, que aparentemente era deísta, com base em certas citações, assumindo evidentemente uma posição filosófica naturalista, o qual aceitava a existência e a natureza de Deus como criador, mas que outras vezes não assumia tal posição. Entretanto, parece que a mídia, os livros e as escritas muito raramente falavam das convicções religiosas dos grandes matemáticos, talvez por ser um assunto polêmico e desconhecido. 

Então, resolvemos abordar o tema nesse breve artigo, para quem sabe quebrar esse paradigma e assim expor o relacionamento desse ramo científico com Deus e com a religião, focando o pensamento de alguns matemáticos mais relevantes, concentrando-se também sobre a religiosidade ou não de cada um no propósito de que cada leitor possa formar sua opinião sobre essa linguagem perfeita que vem evoluindo sempre buscando por respostas corretas que possam trazer a verdade até todos nós:


Paul Erdôs

Paul Erdős foi um grande matemático húngaro, considerado um gênio dessa ciência. Extremamente prolífico e de notável excentricidade, publicou 1475 artigos, alguns de extrema importância, o que é um número superior a todos seus paresSegundo a história talvez tenha sido superado apenas para Euler, notável por sua precocidade e para o seu estilo de vida "tramp" e viciado em trabalho. Erdős foi considerado por alguns um disteista por causa de sua conversa sobre um ser com características divinas e que o chamou de "A suprema fascista", a quem ele acusou de esconder suas meias e por estar querendo o mal da humanidade. Erdős explicou que o supremo fascista era realmente em parte apenas um personagem fictício de um jogo que ele inventou. Afirmava ele que "um matemático é uma máquina para transformar café em teoremas" e ainda mais: "Não precisas de acreditar em Deus, mas precisas de acreditar no Livro" em referência a um livro divino hipotético que supostamente contém as demonstrações mais sucintas, elegantes e esclarecedoras para todas as afirmativas matemáticas. Erdős usava o termo "partir" para pessoas que tinham morrido, e o termo "morrer" para pessoas que tinham parado de fazer Matemática. Ele chamava as crianças de "épsilons" o que na matemática seria um número pequeno que tende a zero, entretando dizia sucintamente que gostava delasVale muito a pena descobrir mais sobre ele e isso fica como uma curiosidade a ser desvendada pelos nossos leitores.

John Von Neumann
Ele também era de nacionalidade húngara, assim como Erdős, e tinha um talento decididamente precoce. Neumann deu contribuições importantes também para quase todos os ramos da ciência, entre eles, a tecnologia física e da informação, bem como para a matemática. Foi professor na Universidade de Princeton e um dos construtores do ENIAC. Entre os anos de 1946 e 1953, Von Neumann integrou o grupo reunido sob o nome de Macy Conferences, contribuindo para a consolidação da teoria cibernética junto com outros cientistas renomados de sua época.
Com base no que disse aqueles que o conheciam, ele era essencialmente um agnóstico para a vida. Já debilitado pelo câncer que levou à sua morte, Von Neumann se converteu ao catolicismo, para em seguida, receber os sacramentos religiosos e da fé antes de morrer. 

Alexander Grothendieck
Alexander Grothendieck foi um matemático alemão e naturalizado francês em 1971. Foi o fundador de uma escola própria sobre geometria algébrica, cujo desenvolvimento influenciou profundamente esse campo do conhecimento na década de 1960.
Ele deu muitas contribuições a vários outros ramos da matemática, em particular a geometria algébrica. Desde os anos oitenta começou a ter no coração os temas espirituais e religiosos, primeiro aproximando-se do budismo e também da meditação para resolver conflitos emocionais e problemas espirituais e estava perto, então inclusive da ideia de um Deus pessoal.
Grothendieck nunca foi um cristão convicto, no entanto, alguns aspectos de suas reflexões, são semelhantes ao misticismo cristão. Por exemplo, em seus escritos, podemos ver até a passagem evangélica em que Pedro nega Jesus. Dizia ele então: "Eu pensei que o apóstolo Pedro e sua negação de Cristo, que estava prestes a ser entregue para ser crucificado. Relendo esta história só agora eu chorei por um longo tempo, como podia eu o ter traído, inclusive que eu o havia negado, e que por isso estaria morrendo abandonado por todos. Só a verdade pode tocar também, como as profundezas, e nos revelar a verdade a nós mesmos."

Kurt Gödel

Kurt Friedrich Gödel foi um matemático austríaco, e naturalizado norte-americano. O trabalho mais conhecido de Gödel é seu teorema da incompletude. Gödel é comumente considerado como um dos maiores lógicos da história, e é particularmente lembrado como dissemos por seu teorema da incompletude da aritmética. Então, quais eram as convicções religiosas de Gödel? Na verdade, seu amigo e colega Oskar Morgenstern, disse em seu diário, o qual é considerado como uma fonte histórica confiável sobre a lógica da vida austríaca, que Gödel não acreditava na existência de Deus, mas essa informação parece contraditória com muitas outras fontes. O matemático chinês Wang Hao disse que Adele, a esposa de Kurt, tinha-lhe dito que seu marido, embora não fosse assíduo em nenhuma ceita, ele era religioso e lia a Bíblia ao deitar todo domingo pela manhã."

Wang disse ainda que, além disso, que o próprio Gödel acreditava na existência de vida após a morte em uma conversa que teve com ele. Finalmente, Gödel chamou a si mesmo um luterano em resposta a um questionário enviado a ele pelo sociólogo Burke Grandjean sobre suas convicções religiosas. O grande lógico também é conhecido por um argumento defendido para a existência de Deus, que se enquadra na categoria de argumentos ontológicos, e que foi publicado postumamente.

NOSSA OPINIÃO!
Na nossa modesta e humilde opinião, ciência e religião são coisas distintas e que devem ser respeitadas, cada qual dentro de suas normas e convicções. A ciência é obra do homem, enquanto que a religião e a fé seria obra do criador. Em nosso infinita pequenez, pensamos que é quase que impossível a ciência provar todo o conhecimento que a natureza e o universo dispõe e que regem o cosmos, assim como descobrir as leis que regulam todo o universo ou até provar a existência de um ser maior e criador de tudo. Seria o Big Bang e sua esplêndida explosão, a causa suprema de tudo isso, assim como do desenvolvimento da vida na Terra?

São respostas muito difíceis de serem encontradas e muito menos provadas, mas quem sabe algum dia no futuro vamos descobrir.
 No famoso livro de Charles Darwin chamado "A origem das espécies” considerado por muitos como uma obra revolucionária, nasceu a teoria evolutiva, considerado o mais novo progresso galgado pela ciência da época. Essa importante obra é conhecida por negar as justificativas religiosas vigentes, e que  Darwin apontou que a constituição dos seres vivos é fruto de um longo e ininterrupto processo de transformação e adaptação ao ambiente. 

O que podemos afirmar é que esse ciclo de evolução continua até os dias atuais, onde vemos o desaparecimento de muitas espécies, tais como os dinossauros, entre outras. Diariamente temos notícias de espécies que estão sendo extintas, muitas pela ação do homem em busca do dinheiro ou da ignorância em suas ações. A atualização mais recente da lista vermelha de espécies ameaçadas compiladas pela União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN) apontou que o rinoceronte negro africano (Diceros bicornis longipes), subespécie que tinha como habitat Camarões na África ocidental, infelizmente foi oficialmente declarado extinto em 2011, pelo motivo de excesso de caça para vender seus chifres no mercado negro, aos quais são atribuídos propriedades terapêuticas no tratamento do câncer, embora não haja uma comprovação científica dessa evidência.

Ficamos então refletindo: Será que o homem vai estar presente em nosso planeta no futuro? E, a resposta infelizmente é que não, pois a Terra e a natureza vem sofrendo muito com os desequilíbrios praticados pelas mãos humanas. Ontem foram os dinossauros, hoje o rinoceronte negro africano e algumas espécies de tartarugas, amanhã irão outras espécies de animais que não se adaptam com o novo clima e descontrole causado pelo desequilíbrio da natureza.

Se chegou com a leitura até aqui é porque gostou do artigo, então faça esse conhecimento circular, compartilhando com todos seus amigos e pares. Para isso, sugerimos que use o atalho para as redes sociais que estão presentes ao final do texto ou que indique nosso endereço aos mesmos.

Finalizando, agradecemos a todos pela visita a apoio. Muito obrigado!
A Matemática Aqui é Simples e Descomplicada! 





Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ficou alguma dúvida sobre a postagem acima ou quer deixar uma sugestão?
Escreva seu comentário no espaço apropriado, seja para elogiar, criticar ou expor dúvidas, que publicaremos e responderemos o mais rápido possível.

Atenção: Serão excluídos os comentários contendo propagandas e também aqueles que faltem com o respeito e educação a qualquer usuário do Blog ou, os que venham induzir nosso leitor a acessar conteúdos impróprios e eticamente não recomendados. Desde já, agradecemos sua participação!




Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...